quarta-feira, agosto 13, 2008

Que realidade?


" O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-carácter, dos sem-ética.
O que mais preocupa é o silêncio dos bons"


Dr. Martin Luther King


É-me cada vez mais pesaroso elaborar sobre a realidade escandalosa do meu Portugal. Que raio de óculos usam os governantes para verem realidades coloridas que eu não vejo? Ou será que tomam outras substâncias, bebíveis ou sólidas, que os faz ter uma percepção da realidade diferente da minha? Se é assim também quero e até podem ser genéricos, que fica mais em conta.
Fossem cidadãos brancos os que não quisessem os ciganos ou os pretos em qualquer bairro deste país e já teria caído o Carmo e a Trindade. Sim, porque o trauma colectivo de branco-negreiro-esclavagista-colonialista foi-nos incutido de tal maneira que qualquer dia pedimos até desculpa por nascer num país onde cumprimos a lei e pagamos impostos.
Sim, porque todos aqueles brancos, pretos, ciganos, amarelos, indianos, caucasianos, balcânicos, enfim, todos os que trabalham e pagam os seus impostos, suportam os parasitas sociais, também eles brancos, pretos, ciganos, amarelos, indianos, caucasianos, balcânicos, que em nada contribuem para este país porque se incutiu um comportamento na nossa sociedade de “deixa lá é melhor não fazer ondas que os gajos são maus”.
Uma grandessíssima caca. Mau sou eu!
Sou mau pai porque não me rebelo contra o “proxenetismo” político e dos que não querem trabalhar, prejudicando, assim, os meus filhos em favor dos filhos da puta de diversas estirpes.
Sou mau cidadão porque não me rebelo contra a situação que vivem os reformados deste país que contam os míseros trocos para a comida e medicamentação, enquanto nos parques de estacionamento dos bairros sociais há máquinas de € 20.000 para cima e nas casas, que todos nós contribuintes pagámos, há plasmas de € 2000, DVD’s, Playstations e electrodomésticos de ponta, a troco de €5 de renda por mês.
Vão à MERDA todos aqueles sobre quem impede o dever de fiscalizar e punir os abusadores e fecham os olhos. Não os mando apanhar no esfíncter porque alguns até agradeceriam e lhes dava jeito.
Sou pouco solidário e muito camelo porque permito que brancos, ciganos e pretos fujam aos impostos, não trabalhem, andem bem vestidos e em bons carros, enquanto outros brancos, pretos, ucranianos e de outras regiões do leste europeu, honestamente “vergam o aço” nas obras e em outros locais deste país.
Por fim sou mau patriota porque permito que estes “invasores” desrespeitem todos aqueles que independentemente da cor da pele, credo religioso ou modo de vida, trabalham e pagam impostos, sempre esperançados numa redistribuição da riqueza de forma mais equitativa. Mas… há sempre um mas… esses brancos, pretos, ciganos, amarelos, indianos, caucasianos, balcânicos, etc, dão votos e estão bem contabilizados.


Outra coisa. Não sei que raio de moda é essa de agora chamar aos pretos afro-europeus ou afro-descendentes. Que vómito de trauma é esse? Então aqueles brancos que nasceram lá são o quê? Euro-africanos ou euro-descendentes? Deixem-se de merdelices e de traumas medíocres ou agora tenho de andar a alombar com estigmas colonialistas a vida toda? Fosse o Mugabe branco e já estariam a caminho esquadras navais e forças terrestres para parar o assassino que por sinal até usa um bigodinho apaneleirado como o tio Adolfo.
A propósito de merdas, das bem feitas claro, quero endereçar os meus sinceros parabéns à PSP. Desde logo porque dois tiros naquelas condições de luminosidade, após espera prolongada na mesma posição, não são para qualquer um. E o segundo tiro até foi dado com o alvo em movimento (podia ter corrido mal).
Foram criminosos brasileiros como poderiam ter sido criminosos portugueses ou de outro lugar qualquer. O crime não tem nacionalidade e, friamente, antes eles que qualquer inocente. O que importa relevar é que a Polícia portuguesa quando as regras de empenhamento são claras, é tão boa ou melhor que qualquer polícia do mundo. A mensagem está dada e os politicozinhos que todos os dias têm homens destes a prestar-lhes segurança, equipem os corpos a que eles pertencem com melhor equipamento e armamento e possibilitem-lhes horas de treino que vão ver que depois o trabalhinho aparece sempre bem feito.


Outro assunto.
Não sei devo rir se devo chorar ou, em alternativa, beber uns copos e depois rir e chorar ao mesmo tempo. O militar da GNR que, no exercício das suas funções, acabou por balear o menos culpado, após ter sido posta em perigo a sua integridade física por aqueles que desrespeitaram propriedade privada, levando consigo um menor para que aprendesse as artes ancestrais da família e cujo pai é foragido desde 1999, foi constituído arguido e, pasme-se, vai ser alvo de queixa crime por parte da família dos criminosos.
Mas está tudo parvo ou quê?
Ai políticos do meu país, a vós estas palavras…

"Uma nação pode sobreviver aos idiotas e até aos gananciosos, mas não pode sobreviver à traição gerada dentro de si mesma.
Um inimigo exterior não é tão perigoso, porque é conhecido e transporta as suas bandeiras abertamente.
Mas o traidor move-se livremente dentro do governo, seus melífluos sussurrossão ouvidos entre todos e ecoam no próprio vestíbulo do Estado.
E esse traidor não parece ser um traidor; ele fala com familiaridade com as suas vítimas, usa a sua face e suas roupas e apela aos sentimentos que se alojam no coração de todas as pessoas.
Ele arruína as raízes da sociedade; ele trabalha em segredo e oculto na noite para demolir as fundações da nação; ele infecta o corpo político a tal ponto que este sucumbe".

(Discurso de Cícero, tribuno romano, 42 a.C.)

12 Comments:

Blogger Isabel-F. said...

Olá Manel,

Bom dia.

Que saudades eu tinha do teu modo de escrever.

Não podia estar mais de acordo contigo em todos os assuntos que focas.

Foi de louvar a atuacção da polícia no caso do BES ... e quem sabe não sirva de exemplo e que os malfeitores não passem a pensar duas vezes antes de actuares ... pelo menos sempre ficaram a saber que podem levar com um balázio, que os leva desta para melhor ... que cá não fazem falta nenhuma.

O GNR que vai ser constituido arguido é de bradar aos céus ... é revoltante e nojento ...é revoltante vermos as nossas forças policiais serem constantemente enxovalhadas ... serem eles a pagar as suas fardas e coletes à prova de bala ... serem responsáveis pelos danos de viaturas acidentadas, qaundo em perseguições ao serviço de lei ... é uma verdadeira vergonha ...


beijinhos e espero que esteja tudo bem contigo

14 agosto, 2008 12:46  
Blogger Menina_marota said...

Oh meu querido Manel como tinha saudades de te ler!

Assim, sem papas na língua, gritando bem alto muito do que muita gente gostaria de dizer mas que tem medo de dar a cara, não lhe vão... bem... uma senhora não fala calão, pelo menos aqui no teu blogue!

Espero que com este verdadeiro e genuíno GRITO de REVOLTA tenhas posto um ponto final à tua ausência!

Assino 100%, não... 300% tudo o que dizes, por isso não há nada a comentar a não ser...lamentar aquilo em que o nosso País se transformou ou deixaram transformar.

Um abraço carinhoso e BEM VINDO!!

:-)))

14 agosto, 2008 15:35  
Blogger Um Poema said...

Amigo,

Não há um só dos tópicos que abordas, ou uma só frase, ou uma única das definições que apresentas, com que eu não concorde.
Dizer-te que cada dia que passa cresce a minha revolta, não basta.
Como é que é possível constituir-se arguido um agente da autoridade por ter cumprido o seu dever e mandar-se em liberdade um delinquente, ainda por cima foragido?
Onde é que esta palhaçada se assemelha com justiça?
Como é que foi possível, em tão poucos anos, transformar Portugal neste arremedo de sociedade, de democracia, de nação?...
Que mais falta para chegar à suprema humilhação deste povo?

Um abraço

14 agosto, 2008 23:50  
Blogger Zica Cabral said...

Mê crido Maneli, já tinha saudades das tuas palavras despodiradas e do firme sentir. Pois é, ressuscitei . Ainda não completamente depois de uma ausencia de quase 1 ano. 8 meses para ser mais precisa.
Desde Janeiro passado que os meus dias eram passados a preparar as coisas para levar para o hospital, vir o hospital jantar e ir para a cama para o dia seguinte continua a mesma rotina. Sem abrandar. A John entrou no Hospital a 12 de Janeiro e morreu, comigo ao lado, a 12 de Maio. Desde então tem sido um nunca mais acabar de papeis que me moem o espirito fora dos outros tramites todos que tu possas imaginar. Foi duro mas agora descansa em paz e já não sofre. E eu , lentamente voltarei a ler , a viver e, se Deus quizer, a escrever tb.
Um beijo amigo
Zica

15 agosto, 2008 18:35  
Blogger Mário Relvas said...

Totalmente de acordo. Há muito mais a escrivinhar e gritar.
Cheguei hoje de férias... E continuo de "férias", porque neste país isto está para os criminosos. O CAO onde está o meu filho está fechado durante TODO o mês de Agosto.
Que país... Até breve!

abraço

15 agosto, 2008 23:48  
Blogger ALG said...

Amigo Manel, bem vindo de novo!!!

Aqui tenho vindo sempre à procura de notícias tuas e regozijo-me por teres voltado. Quanto ao que escreves (e sentes) só posso dizer que partilho todos esses sentimentos.
Abraço

17 agosto, 2008 22:55  
Blogger Mário Relvas said...

Manel,

passo para complementar o que escrevi anteriormente. O país está para os criminosos porque praticam os crimes com uma impunidade tal, que já não surpreende ninguém. Toda a gente sabe que o país está inseguro. E devo-te dizer que prevejo que qualquer dia -ele chegará- casos como o de Loures e outros se alargarão em simultâneo e veremos a reacção dos agentes policiais, cansados de tanta impunidade e de tanto ataque às suas acções. Na realidade, o militar da guarda agiu para o bem. Não acredito que se soubesse que era um menor, utilizasse a arma. A arma nunca se utiliza na dúvida. E sei que ele nunca pensou estar perante um menor que seguia dentro de um carro que fugia de um assalto. Se o soubesse acionaria outros meios de intercepção, como é lógico. O pior disto tudo é que depois de uma acção que deu algum vigor às FS -o assalto ao BES com a acção precisa do GOE- vêem agora entornar o caldo. Os polícias estão insatisfeitos.Não se revêm nos sindicatos sequer. A insatisfação grassa internamente. As leis são miseráveis. Muito mesmo. Gostava que determinados jornais falassem da prostituição impune que é feita às suas portas. Haverá lá alguém que beneficie com isto? Procura a resposta!

Também te poderia fazer um rescaldo da situação em algumas cidades do país. Mas... Irá rebentar um dia!!

Abraço

20 agosto, 2008 19:53  
Blogger José said...

Compreendo a revolta. Sei que um elemento policial estar envolvido num processo crime porque algo correu mal no desempenho das suas funções, é frustrante e desmotivante.
Sei do que falo. Mas aquele tipo de furto (quase insignificante, ferro velho, pasme-se) de uma vacaria abandonada, não justifica por si só o uso de armas.
A polícia sabe que o recurso efectivo a arma de fogo contra pessoas, só mesmo em casos extremos, pelo que fazer fogo contra uma carrinha velha cujos ocupantes furtaram ferro, não está ali enquadrada.
O valor da vida humana sobrepõe-se a todos os outros e apesar das culpas do pai (óbvias) há a lamentar a morte de um miudo da idade do meu filho. E isso nada paga.

21 agosto, 2008 17:01  
Blogger Olhos de mel said...

Oie meu amigo! Enfim encontrei seu link... Sabe que procurei muito?
Belo post, viu? A política acho que é igual em todo lugar.
Bom fim de semana! Beijos

22 agosto, 2008 01:10  
Blogger O Transmontano said...

Oi Bambino.
Ainda bem que voltaste. Li, reli e dá efectivamente para meditar. Porém, com a merda de chefes militares que temos, com Dir. Nac. da PSP e Cmdt da GNR adicionados a esta cambada de chulos de políticos que ainda por cima têm o beneplácito do PR que, penso não saber o que é ser Cmdt. Supremo das Forças Armadas, nem tem quem lhe explique isso, este lindo país à beira mar plantado, acaba por dar sempre à costa a mesma quantidade de merda que infesta as praias portuguesas há 34 anos.
Um abraço.

27 agosto, 2008 17:10  
Blogger Odele Souza said...

Manel,
Como podem os governantes não verem coisas que nos saltam aos olhos?! Claro, não querem ver. Assim como não fazem o que precisam pelo povo, porque não querem fazer.E claro que tudo isto é revoltante. Mas nós estamos aqui para GRITAR em alto e bom som, porque não compactuamos com o "silêncio dos bons".

Um garnde abraço pra ti Manel.

28 agosto, 2008 17:14  
Blogger Lumife said...

Foi com muita satisfação que no regresso duns dias de férias na costa alentejana (pois onde havia de ser...)encontrei assinalada a sua passagem.

Sobre os textos de hoje mais uma vez aqui me tem a apoiá-lo e a concordar. Esperemos melhores dias mas a verdade é que as esperanças vão esmorecendo.

Um abraço

01 setembro, 2008 15:38  

Enviar um comentário

<< Home