quinta-feira, janeiro 10, 2008

MONS AMIS...

"Se serviste a Pátria e ela te foi ingrata, tu fizeste o que devias, ela o que costuma."
Padre António Vieira

Ficou para trás um semestre de desesperos, amores perdidos por morte e por impossibilidade da vida. Uma cascata de acontecimentos que exigiram retraimento, reflexão e serenidade.
Aos amores de juventude que se foram tristemente juntaram-se outros, únicos no seu tempo e forma, actuais até há bem pouco tempo e que quiseram partir. Impunha-se a retirada, o recolhimento para lamber as feridas e voltar retemperado após mais uma catarse. À perda de um amor passado juntou-se a rejeição do presente. Está superado.
Tudo se complicou no último semestre de 2007. Saúde, actividade profissional, alguns “amigos”, família, enfim, o espectro todo. Fiquei só e só ultrapassei o que havia para ultrapassar. Retorno, assim, a um espaço que me é querido e onde encontrei mensagens de preocupação pela minha ausência.
Estranho não é? Quem nada de mim conhece preocupa-se, outros, sabendo pelo que passava afastaram-se num resguardar individualista, cínico.
Virar de página…

Recebo um mail da Menina Marota, agora mesmo, de um IRMÃO DE ARMAS que a França também abandonou…aqui fica o seu relato e…
Mon vieux camarade la parole de cambrone…MERDE!
MONS AMIS...
Lá vai ele em busca do amigo que para traz ficou. Em intenso tiroteio, que obriga-o a lutar contra a fúria da pontaria do inimigo. Gritos, confusão de tantas imagens, morte à sua volta o amigo lá estendido, esperando por aquele outro amigo de verdade.
Guerra que não é sua, mas é composta de soldados humanos, e outros não, assim como em todo lugar.
Companheirismo real, abandono jamais existe para os verdadeiros amigos.
Lá vem ele com o amigo nas costas, o fuzil em riste respondendo o fogo dos snipers nas janelas escondidos.
Cheiro de morte, crianças entre os escombros, mulheres e homens gritando, aqui é Sarajevo. Amigos não abandonam outro amigo, e nem mesmo as pessoas que precisam de ti: VERDADEIRO SOLDADO.
Amigos não abandonam outros amigos em nenhuma circunstância, pena que a Pátria nossa mãe teve esta coragêm: ABANDONAR SEUS SOLDADOS em horas tão cruciais.
UM VIVA!!!!!! AOS MEUS COMPANHEIROS VIVOS, AQUELES QUE DE 60 SOMOS NÓS SOMENTE + 2 .
UM VIVA!!!! AS FORÇAS FRANCESAS POR ABANDONAR SEUS SOLDADOS EM OUTRAS TERRAS, DIZENDO QUE NÃO OS CONHECE OU CONHECERAM.
UM VIVA!!!! AOS MEUS SOLDADOS CAÍDOS QUE EM TODOS OS NATAIS LEMBRO-ME DE TODOS NA MESA DE NOSSA CASA.
UM VIVA!!!!! AOS BUROCRATAS COVARDES QUE ENTREGARAM SEUS SOLDADOS A PRÓPRIA SORTE.
VIVA!!!!! PRISTINA, SARAJEVO, BOSNIA HEZERGOVINA, SAIBAM SEUS POVOS QUE MOSTRAMOS NOSSA CORAGÊM, NOSSO ROSTO, E AGORA A VERGONHA DE TANTAS SELVAGERIAS QUE NOS FIZERAM VER. NÃO ME RESPONDAM QUE FOMOS VOLUNTÁRIOS, FOMOS SIM CORAJOSOS.
VERGONHA AOS NOSSOS BUROCRATAS QUE NÃO CONHECEM O CALOR DA BATALHA.
VERGONHA AOS NOSSOS BUROCRATAS, QUE ABANDONARAM SEUS SOLDADOS E QUASE OS CONDENAM EM OUTRAS TERRAS, QUANDO DIZEM NÃO CONHECER OS VALOROSOS E VERDADEIROS HOMENS QUE FORAM LUTAR REPRESENTANDO UMA NAÇÃO, UMA BANDEIRA.
NÃO PRECISAM NOS DAR DINHEIRO, BASTA NOS DIZER SOMENTE: MERCI E DAR-NOS A INTEGRIDADE E HONRA DA QUAL NOS RETIRARAM NOS PAPÉIS, MAS JAMAIS DE NOSSAS MEMÓRIAS. AS MEMÓRIAS DE UM CAPITÃO DE INFANTARIA PARA-QUEDISTA.


W B (Um camarada esquecido).

19 Comments:

Blogger Manel do Montado said...

Ainda bem que encontro um irmão que fala a mesma língua que eu. Correm-me lágrimas pela cara porque em PORTUGAL também há soldados esuqecidos que todas as noites, TODAS, dormem com os que morreram e com os que mataram.
O que passei em Sarajevo e nas montanhas da Bósnia não desejo a ninguém. Vivi e dormi sempre com a morte durante 183 dias. Lutei pelos meus irmãos e matei por eles, voltaria a fazê-lo, assim, sem mais.
Vou responder ao meu irmão de armas. Claro que sim.
Reeenvia por favor e manda-lhe o meu mail.
Ao ler o seu texto, voltei a ouvir os estrondos e os gritos, o cheiro da pólvora e do sangue voltou...É uma MERDA.
Vou publicar no Montado e acrescentar algo.
Um abraço WALTER.
Em que unidade estavas?

10 janeiro, 2008 21:34  
Anonymous Anónimo said...

A tua força e determinação,ajuda-nos a alguns "anónimos" a continuar a luta que representa a Vida....
Sinto-me contenta com o teu regresso. Apesar do meu silêncio neste cantinho, tenho estado preocupada pelo teu estado, por seres Amigo dum meu Amigo... E porque admiro-te como homem e como pessoa.
Agradeço-te a partilha dos teus sentimentos mesmo atrás do meu anonimato.
Obrigada e força!!
Mudam os paises de origem, mudam os nomes dos caidos. Não mudam a coragem, a velentia, o sentido da moral, a rectitude, a honestidade e a generosidade de muitos homens de bem... E também não mudam as actitudes dos políticos, dos gobernos, dos poderosos e da sociedade e da guerra...
Poderemos mudar o mundo e o seu percurso???
Ânimo e segue enfrente!!! Como dize o nosso comúm Amigo:"Talvez não possas mudar o mundo, mas que ele não te mude a ti".
E que a amizade de muitos te ajude a superar os maus momentos passados e presentes.

11 janeiro, 2008 11:24  
Blogger São said...

Venho aqui pela primeira vez e por acaso ( embora eu não acredite nem em acasos nem em coincidências).
Sei muito bem do que fala a nível de traições e rejeições e abandonos e...e...
Temos também em comum a paixão por essa terra maravilhosa do Alentejo, também ela tão maltratada...e agora vendida quase toda aos espanhóis.
Permita-me que lhe deixe o meu abraço fraterno.

11 janeiro, 2008 15:16  
Blogger Menina_marota said...

Meu Amigo, sou incapaz de abandonar alguém, mesmo que isso me possa ser adverso.
Já passei por alguns momentos maus na Vida, não pelos teus motivos, por motivos mais pessoais e sei, (ai se sei), o que é ser-se abandonada, rejeitada e incompreendida.
Mas a Vida ensina-nos e amadurece-nos, talvez também nos ensine um pouco, a ver o outro lado da moeda.

Sabes que podes contar comigo, como eu já contei com o teu apoio, noutras alturas em que precisei dele. Os Amigos, são para isso mesmo: para as ocasiões.
Ler-te é um privilégio. A tua coragem, determinação e frontalidade é um factor, que actualmente se vê pouco. É um privilégio ter-te como meu Amigo, mesmo que seja virtual, mesmo que nunca nos venhamos sequer a ver face a face.

Quando o teu irmão de armas, me escreveu, pensei logo em ti e como as vossas histórias eram similares. Por isso os juntei e fico feliz, que possam deste modo trocar experiências.

Um abraço carinhoso e mil felicidade, tanto a nível pessoal, como profissional.
O.

12 janeiro, 2008 15:33  
Blogger António Lisboa Gonçalves said...

Caro Manel:
Em primeiro lugar saúdo teu regresso a este espaço que sendo virtul , tem destas singulariades, uma data de gente real, preocupada com o que te teria sucedido;
Em segundo, que a tua "tempestade" pessoal tenha sido superada e que se sigam tempos de acalmia;
Por último, esse grito de um camarada de armas merecia ser gravado, com ferro em brasa, nas costas de muito incompetente com culpas no cartório...

Já tinha saudades de te ler!!!
Um ABRAÇO Camarada!

12 janeiro, 2008 16:35  
Blogger Isabel-F. said...

Olá Manel,

Lamento os maus momentos passados e espero que tudo tenha sido ultrapassado, na medida do possível.

Fico feliz com o teu regresso ... senti a tua falta.

Beijinhos e continuação de um bom fim de semana

12 janeiro, 2008 18:06  
Blogger Paulo Sempre said...

«Nenhum homem é uma ilha isoloda. Cada homem é uma particula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa ficará diminuída, como se fosse a casa do teu amigo ou a tua própria casa. A morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do género humano. E, se dobrarem os sinos, não perguntes por quem dobram os sinos - eles dobram por TI. » (John Donne).
Há muitos testemunhos que trazem à luz do quatidiano desatento, momentos de angústia e de sofrimento da pessoa humana. Nessa profundeza de desassossegos terríveis, suge, por vezes,a verdade nua e crua de toda a vivência em meios hostis e outros extremamente marcantes.
Há, todavia, aqueles que afastados (fisicamente)do drama do seu semelhante, mas não da mesma "ilha", nunca perguntam por quem dobram os sinos...pois são dos poucos que se podem afoitar a atirar pedregulhos para o charco da ingratidão.

Depois do «deserto longo» que calcorreou espero ouvir agora os foguetes da "festas" em lugar dos sinos em dia de finados estarei afinal sempre consigo, ainda que de forma virtual.
Um grande abraço.
Paulo Sempre

12 janeiro, 2008 18:17  
Blogger Mário Relvas said...

Este comentário foi removido pelo autor.

12 janeiro, 2008 19:40  
Blogger Parvinha da Silva said...

Quando ia à bica à Carcassone, olhava as mesas, à tua procura...

Pressentia-te mal, mas só podia respeitar teu silêncio de ressaca da vida.

Mas voltaste, és jovem, inteligente e com todos os atributos que te fazem merecer ser feliz.

Se io avessi due ou tre anni di meno e non uno stonzo nella mia casa.....

Um abraço apertado

12 janeiro, 2008 19:53  
Blogger Afrodite said...

Ainda bem que voltaste, meu querido amigo!

12 janeiro, 2008 19:55  
Anonymous Anónimo said...

,,,EUREKA..voltou e q contente estou...

dor é poder...sou eu q o digo--mas tb digo q a VIDA é uma benção....estamos todos/as aqui...

um abraço...leitora assidua(Maria)

12 janeiro, 2008 20:50  
Blogger irneh said...

Olá Manel, meu compadre alentejano!

Já havia passado pelo teu espaço em tempose havia gostado. Depois, sem saber como, perdi-te o rasto. Volto agora para agradecer a tua visita ao meu espaço, as palavras simpáticas que me deixaste e para te dizer que, de facto, muito pouca gente sabe o valor da amizade. Poucos são "amigos", capazes de perceber que muitos são os momentos em que um abraço silencioso vale mais do que mil palavras. Vai restando o virtual, com muitas palavras solidárias e alguns dissabores de quando em vez. Dizem que é assim a vida. Se tanta gente o afirma, deve ser. Eu cada vez tenho mais dúvidas, mas acho que nunca descobrirei por que motivo, tendo sido feitos e criados à semelhança de um Deus perfeito (dizem...) somos tão imperfeitos. Acho que também nunca irei compreender. E, olha, já falei demais!!

Volta sempre e beijinhos

12 janeiro, 2008 23:43  
Blogger Odele Souza said...

Manel,
É uma alegria o teu retorno.Aqui estou junto a teus outros amigos para te dar o abraço das boas vindas e dizer que senti tua falta.

Um abraço.

13 janeiro, 2008 00:22  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

Manuel

Pressenti que havia algo, mas não imagina o que quer que fosse.

Mas, apenas desejo que fiques por aqui, e por muito tempo, pois há muita gente que te estima.

Obrigada e fica um beijo de amizade

Pi

13 janeiro, 2008 19:46  
Blogger O Transmontano said...

Olá Bambino! Não te dou as boas-vindas apenas por uma e só razão. Sou teu Amigo, nunca te expulso do pensamento, nem do coração. Respeito o silêncio e a ausência porque, por vezes, são a nossa melhor companhia. Fico feliz pelas pessoas que te admiram e gostam de ti.
Um grande abraço.

14 janeiro, 2008 20:33  
Blogger aDesenhar said...

O Bom Filho a casa volta! ...
É bom ter-te de volta... És muito bem vindo!

abraço

15 janeiro, 2008 16:59  
Blogger Menina_marota said...

Meu querido Amigo, tens um Prémio por levantar no Menina Marota e que o dedico especialmente a TI!

Um abraço carinhoso ;))

17 janeiro, 2008 14:53  
Blogger vero said...

Meu querido amigo, que bom saber que voltaste!!! Eu também andei ausente ( motivos de doença) mas estou a recuperar....
Beijos meu amigo e volta sempre ao meu cantinho!!! ***

17 janeiro, 2008 22:37  
Blogger Mário Relvas said...

Caro Manel,

venho cumprimentar-te pelo teu texto e dizer-te que gostei muito de ouvir o Bastonário António Marinho Pinto na entrevista com a Judite Sousa na RTP1.

Este país precisa de verdade, venha ela de onde vier!!

MAMA SUME!

31 janeiro, 2008 22:02  

Enviar um comentário

<< Home