domingo, maio 06, 2007

Até um dia...







Sinto-me assim...







Vou ver dele...


Dirijo-me a vós, meu Deus
Porque só vós dais
O que não se obtém senão de vós

Dai-me meu Deus, o que vos resta
Dai-me o que os outros não vos pedem
Eu não vos peço riqueza
Nem o sucesso, nem mesmo a saúde
Tudo isso, meu Deus, vos pedem abundantemente
Que vós não necessitais de dispor

Dai-me meu Deus, o que vos resta
Dai-me o que outros recusam
Eu vejo a insegurança e a inquietude
Eu vejo a tormenta e a batalha
E que vós me as deis, meu Deus
Definitivamente
Que eu estou certo de as ter sempre
Porque não ouso ter sempre a coragem
De vo-las pedir.

Dai-me meu Deus, o que vos resta
Dai-me o que os outros não querem

Mas dai-me também a coragem
E a força, e a fé
Porque só vós dais
O que não se obtém senão de vós

Até um dia. Aos poucos que por aqui passam o meu obrigado. Aos outros, que pintam a a vida das cores que ela não tem, um dia terão a desilusão propria do daltonismo com que a cantam, a vêem e a enformam.

" O que mais preocupa não é nem o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem-carácter, dos sem-ética.
O que mais preocupa é o silêncio dos bons"
Dr. Martin Luther King

13 Comments:

Blogger Menina_marota said...

Não acredito que nos vais deixar!!!
Que se passa?
Algum problema?

Não posso aceitar isso, sabes como gostamos de te ler!

Até já...

Beijinhos ;)

06 maio, 2007 17:50  
Blogger as velas ardem ate ao fim said...

Tu não te vais embora pois não???

Como tu escreves o preocupante é o silencio dos que valem a pena...


Pff Fala connosco.

abraço apertadinho

07 maio, 2007 20:27  
Blogger O Transmontano said...

Bambino,
A Oração é linda!!!
O conteúdo é mto significativo. Neste Mundo existem pressões brutais sobre os corajosos, as pessoas honestas, os que denunciam a corrupção, a hipocrisia, os roubos, o clientelismo e inqualificável postura dos políticos e todos os graxas que lhes gravitam em movimentos de translacção.
Porém, tb existem aqueles que perante a injustiça se insubordinam, não baixam os olhos e têm a coragem de permanecer presos para que as "Aves Canoras de Varanda", vide, juízeco Eurico Reis.
Há também aqueles que, como eu, sendo militar, tendo sido ensinado por Homens e Chefes de Altíssima Categoria, que não se vergam, não se revêem inclusivamente no Cmdt. Supremo das Forças Armadas, muito menos nas pilecas de chefes e outros que tais que grassam na Comunidade Castrense e outras.
Uma Polícia mal dirigida, uma GNR mal comandada e umas Forças Armadas sem sentido.
Porém, não tenho medo, estou ao teu lado para o que for preciso e nem que a vaca tussa, não há Sacana de magistrado, político ou juiz nenhum que me amedronte, intimide ou me silencie.
Se for preciso, eu silencio-os primeiro.
Um abraço Bambino.
Espero que o meu mail, tenho sido mais esclarecedor.

09 maio, 2007 16:22  
Blogger Isabel-F. said...

só hoje vi este post...

como entretanto colocaste hoje a mensagem sobre a Maddie ... quer dizer que regressaste?

espero que sim...

bjs

10 maio, 2007 12:30  
Blogger Isabel-F. said...

... já vi que não ...

até um dia então ...

e felicidade, muita, para ti...


bjs

11 maio, 2007 15:13  
Blogger LUA DE LOBOS said...

não queria perder o teu contacto mas nem email há por aqui... e como te entendo...
o silencio desses(olha que são muitos) é que se devia tornar ensurdecedor!!!
se não me deres o teu email... paciencia :) vai em frente com as tuas convicções porque no fundo é o que nos resta.
xi muito apertado
maria de são pedro

12 maio, 2007 10:48  
Blogger MRelvas said...

Eu sabia "manel", que eras uma nuvem passageira...

Digo-te até sempre

Mário Relvas

12 maio, 2007 23:45  
Blogger Um Poema said...

"...o que mais preocupa é o silêncio dos bons"

E cada vez que UM BOM se despede, é o silêncio que se avoluma.

Quando aqui cheguei já cá estavas. Quando te descobri identifiquei o clamor de revolta de um homem digno. Passei a ler-te e a meditar sobre os temas que abordas.
A vida, que me ensinou, entre muitas coisas, a reconhecer um homem honesto, não me ensinou nunca, como é que, na hora da despedida, se diz adeus, sem que no peito se sinta um nó.
Por isso é que prefiro dizer-te apenas "até breve", para poder manter a esperança de que o "silêncio dos bons" não se continua a avolumar.

Um abraço

13 maio, 2007 16:01  
Blogger aDesenhar said...

até um dia...

tens algum magistrado à perna!
hum!hum!
quantos são!
quantos são!


abraço
mama sumae

15 maio, 2007 00:44  
Blogger MRelvas said...

Onde quer que estejas, sabes onde eu estou!

Abraço
Mama Sume
Mário Relvas

15 maio, 2007 12:25  
Anonymous Anónimo said...

Lá fora, além do que está certo e do que está errado, existe um campo imenso.
Encontrar-nos-emos lá.

Faço minhas estas palavras do Mevlana Jelaluddim Rumi.

21 maio, 2007 09:40  
Blogger Barão da Tróia II said...

Caro amigo, fiquei triste, por ver que partes, uma voz como a tua faz falta nesta esfera de bloguices, por vezes estultas e sem préstimo. Não digo adeus, digo até à próxima.

23 maio, 2007 15:13  
Blogger Ni said...

...
A primeira palavra que aqui escrevi, logo a seguir à tua oração.... foi uma exclamação que apaguei.... porque, embora verdadeira - sim, tenho o grave defeito de dizer e escrever exactamente o que sinto - descontextualizada poderia não ser bem interpretada.

...

Olha, Manel...

«Conhecer-te»... ler-te... hoje foi a diferença no meu dia.... e apesar de já ser tarde '1:01' (estas horas... portais...)agradeço-te exactamente por isso... pelo toque esoecial que deste ao meu dia...

Abraço de vento...

Ni*

(Difícil sair daqui.... o som continua a prender-me... nesta canção que marcou a minha vida)

25 junho, 2007 01:03  

Enviar um comentário

<< Home