terça-feira, março 20, 2007

Teoria da conspiração ou intelligence eficaz?

Em 21 de Fevereiro de 1978, um submarino nuclear americano sofreu uma avaria e afundou-se no Índico sul, pouca ou nenhuma informação escapa para o mundo, pois estava numa missão secreta. Uma enorme operação de resgate da preciosa carga de oito ogivas nucleares é posta em marcha, mas convenientemente encoberta, ao estilo da Glomar Explorer (Empresa fachada da CIA), a manobra de cobertura era a busca de petróleo. Nada foi recuperado desta vez, o submarino continuou no fundo do oceano com a sua explosiva e preciosa carga, mas os americanos continuavam com o controle do armamento por via remota. Com o passar dos anos e o efeito da corrosivo da água do mar, o submarino partiu-se e os seus destroços espalharam-se no fundo do mar numa extensão de mais de 2000 metros.

Em Setembro de 2003, astrónomos dos Estados Unidos descobriram um grande asteróide que se a aproximava da terra rapidamente e com alta probabilidade de ser atraído pela massa magnética da terra, com a consequente colisão e efeitos devastadores, tendo previsto a data de impacto para 21 de Março de 2014. Com o facto quase confirmado, os EUA decidiram depois de várias reuniões com os principais líderes do mundo e o primeiro-ministro da Índia (único pais afectado presente na reunião) estudar uma solução com vista a resolver este problema da melhor forma.
Expuseram-se várias hipóteses de destruir o asteróide, mas nenhuma era viável ou garantia sucesso absoluto.

O governo dos EUA decidiu aproveitar as oito ogivas nucleares que sobraram do submarino afundado no Índico para provocar uma explosão que, de tão potente, deixaria a terra uns poucos milímetros fora da sua órbita normal e assim o asteróide já passaria ao lado, não sendo atraído pelo campo magnético da Terra.
A operação foi mantida em silêncio, pois os países perto da zona de explosão nunca concordariam com tal medida. Todos os cálculos foram efectuados e o cogumelo nuclear nunca chegaria perto da superfície da água, uma vez que seria uma explosão direccionada para sul, onde não há terra, e os efeitos dissipar-se-iam. A data, no entanto, foi muito mal escolhida ou tudo saiu do controlo da Marinha dos EUA e esta, é a hipótese mais provável.
A explosão nuclear ocorreu a 26 de Dezembro de 2004, encoberta por um suposto terramoto de 8.9, e mais tarde rectificado para 9.0 na escala de Richter, cerca das 8 da manhã (hora local).
As consequências foram devastadoras. Estimavam-se mais de 400 mil mortos, mas como “só” morreram 285 mil, as previsões de mortandade até foram favoráveis.
Correu o rumor na imprensa de que os americanos teriam tido conhecimento, uma hora antes de atingir a costa da Tailândia, do tsunami que se viria a formar e não teriam conseguido avisar ninguém (pudera...). Então os satélites? Os TEWD? (Tsunami Early Warning Devices).

Provavelmente fomos todos salvos devido a este acto à primeira vista horrível, mas que a longo prazo será considerado como salvador da humanidade. Se calhar.
De acordo com o conceituado geofísico norte-americano Richard Gross, o plano até correu bem, uma vez que devido à massa deslocada pela acção da explosão, o dia em que ocorreu teve menos três micro segundos que um dia normal e o eixo da terra inclinou-se cerca de uma polegada, evitando o futuro impacto do asteróide.
Dias depois houve outro terramoto e agora com alerta de tsunami, que não ocorreu. Porquê? Porque a explosão foi controlada e provavelmente só uma carga rebentou e esta mais em profundidade. De acordo com especialistas de renome, é impossível prever a ocorrência de sismos e se assim é, como é que “especialistas” dos EUA afirmaram que poderia ocorrer, nos dias subsequentes, um terceiro abalo da mesma dimensão? Estranho não é?

Como se explica o aumento dos valores da radiação no fundo do mar e a falta de peixe na área, tal qual sucedeu após 6 e 8 de Agosto de 1945, respectivamente os ataques nucleares a Hiroshima e Nagasaki?
Como se explica que nas noites subsequentes ao Tsunami tenha havido uma anormal fosforescência no mar?
Como se explica que nessa época do ano inúmeros governantes de vários países da terra, incluindo os EUA, mas maioritariamente do Reino Unido, que costumam demandar aquelas paragens para descanso, hajam sido aconselhados a não ir… por causa da Al kaihda (?).
Como se explica que a Tailândia não haja lançado o alerta de Tsunami? - Pobres tailandeses, os seus sensores submarinos e instrumentos avariaram no momento da explosão. Já repararam que desde aquela data 197 novas espécies subaquáticas, todas elas oriundas das profundezas, apareceram em águas menos profundas e na direcção de correntes que flúem a partir daquela zona? – Coincidências.

Quem sabe afirma que um rebentamento subaquático tem primeiramente o efeito de sucção (recuo das águas) e só depois de expansão (ondas). Tal qual o que aconteceu no dia 26 de Dezembro de 2004 e não aconteceu, nem acontece, nos inúmeros tsunamis, de pequena intensidade felizmente, que assolam as ilhas japonesas.
Os paladinos do neo-liberalismo, travestido de democracia, isto é, da PAX BENZINA, foram os pioneiros em tudo o que é crime contra a Humanidade na era moderna e o que é mais grave é que eles acreditam que são os salvadores da liberdade.

"Se o comum cidadão soubesse o que os seus eleitos fazem em seu nome, morreria de vergonha." - Winston Churchill.

10 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Morreriamos de vergonha?????? Não penso... Afinal, nós só olhamos para o nosso umbigo...... E estamos vivos e de boa saúde.... E mesmo sem saber, SABEMOS!!! É mais fácil virar os olhos para outros lados...
Mas é bom, pelo menos ter notícias destas de quando em vez, para parar e pensar no responsáveis que somos do que acontece no Universo, com a nossa anuência... mesmo sem saber muito bem.
Que Deus nos ajude a viver com a nossa consciência!!!

20 março, 2007 14:27  
Blogger Princesola said...

Conforme ia lendo,ia lembrando uma imagem que não me sai da cabeça... Um sueco com a fotografia de uma bébé que dizia "missing"...

20 março, 2007 17:59  
Blogger A. João Soares said...

Um bom texto, convincente, informativo.
E tudo acaba por se saber!
O que mais iremos conhecer das arrogâncias dos homens do Poder?
Sugiro a leitura do post «Brasil na mira de Chávez» em Do Mirante. Os poderosos são maquiavélicos, usam uma inteligência dura sem contemplar vidas nem interesses alheios.
Cumprimentos
A. João Soares

21 março, 2007 19:26  
Blogger MRelvas said...

Um tema interessante...não de todo impossível, mas apenas polémico e em busca de credibilização internacional!

A ter em conta...

Abraços Manel

Mário Relvas

22 março, 2007 11:33  
Blogger leituras said...

..............

Muito bonito o poema sobre os amigos. Agradeço-te por ele.

Se os políticos fossem gente com escrúpulos, não seriam políticos.
Não sei até que ponto nos apercebemos dos actos imorais, desumanos, vergonhosos, que, em nome dos povos, são praticados, pelos políticos.
E neste capítulo os americanos conseguem ser o povo mais "inteligentemente estúpido". Atrás do seu enorme poder económico, conseguem olhar o mundo com um enorme desprezo, com tanto de absurdo como de assustador.

Uma boa semana.

.....................

22 março, 2007 20:56  
Blogger Um Poema said...

Manel,
Não sei até onde vai a verdade e começa a ficção, mas que não me espanta que haja algum fundamento nisto, isso não.
É que não consegui entender ainda como é que os estragos nas costas de África conseguiram ser maiores do que nas costas da India.
Como é que as ilhas Seychelles não desapareceram, simplesmente?...
Dá que pensar.
A verdade é que, nesta história do tsunami há qualquer coisa mal explicada.

Um abraço

23 março, 2007 19:42  
Blogger MRelvas said...

Já sinto a falta
Da vossa companhia,
Da vossa amizade nata,
Da vossa sabedoria.


Parto em descanso
Bem acompanhado
Eu e mulher, só
Coesos no amor.


Fica o Bruno filho
Na Apúlia, com amor,
Sempre aquele brilho
De um especial calor
Carente de amor.




Depois de oito dias
Aqui trarei,espero, alegrias!




Mário Relvas


25 de Março 2007

25 março, 2007 11:40  
Blogger Barão da Tróia II said...

Não me espanta nada! A CIA e os seus farçolas são useiros e vezeiros em criar cortinas de fumo e barracadas deste tipo. Boa semana.

29 março, 2007 14:02  
Blogger as velas ardem ate ao fim said...

Estamos sempre aolhar para nós e a fingirmos que não vimos...o que não queremos ver.

Bjinhos e bfs

30 março, 2007 20:30  
Blogger Micas said...

Fico sem palavras...o pior cego é mesmo aquele que não quer ver...

Beijo Manel

01 abril, 2007 17:34  

Enviar um comentário

<< Home