terça-feira, agosto 15, 2006

Cuerpo de Mujer










Cuerpo de mujer, blancas colinas, muslos blancos,
te pareces al mundo en tu actitud de entrega.
Mi cuerpo de labriego salvaje te socava
y hace saltar el hijo del fondo de la tierra.

Fui solo como un túnel. De mí huían los pájaros
y en mí la noche entraba su invasión poderosa.
Para sobrevivirme te forjé como un arma,
como una flecha en mi arco, como una piedra en mi honda.


Pero cae la hora de la venganza, y te amo.
Cuerpo de piel, de musgo, de leche ávida y firme.
¡Ah los vasos del pecho! ¡Ah los ojos de ausencia!
¡Ah las rosas del pubis! ¡Ah tu voz lenta y triste!


Cuerpo de mujer mía, persistiré en tu gracia.
Mi sed, mi ansia si límite, mi camino indeciso!
Oscuros cauces donde la sed eterna sigue,
y la fatiga sigue, y el dolor infinito.


Poema de Pablo Neruda, do livro
20 Poemas de Amor e uma Canção Desesperada

Corpo de mulher, brancas colinas, coxas brancas
Pareces-te com o mundo na tua atitude de entrega

O meu corpo de camponês rude escavava-te
E faz brotar o filho do fundo da terra

Fui só como um túnel. De mim fugiam os pássaros

E em mim a noite penetrava a sua invasão poderosa
Para sobreviver forjei-te como uma arma
como uma flecha no meu arco, como uma pedra na minha funda

Mas chega a hora da vingança, e amo-te

Corpo de pele, de musgo, de leite ávido e firme
¡Ah as taças do peito! ¡Ah os olhos de ausência!
¡Ah as rosas da púbis! ¡Ah a tua voz lenta e triste!

Corpo de mulher minha, persistirei na tua graça.
Minha sede, minha ânsia sem limite, meu caminho indeciso!
Obscuros leitos onde a sede eterna continua,
E continua a fadiga, e a dor infinitas.

Tradução livre de: Manel do Montado


30 Comments:

Blogger Cris said...

muito bonito! gostei!

bj

C.

15 agosto, 2006 21:16  
Blogger Mikas said...

Obrigada pela tradução senão... na percebia patavina hehe

15 agosto, 2006 23:09  
Blogger Um Poema said...

Belo este "Cuerpo de Mujer" de Pablo de Neruda. Belo certamente, por isso Deus o criou depois de ter treinado criando o do homem. E Pablo Neruda soube cantá-lo.
Obrigado pela escolha e pela partilha connosco.
Um abraço

16 agosto, 2006 10:58  
Blogger TMara said...

smp bom ler Neruda. E a tradução "livre" está muito boa. traduzir poesia é obra!
E k bem estás com o chapéu.
Bjs.
Luz e paz em teu caminhar

16 agosto, 2006 12:06  
Blogger TMara said...

smp bom ler Neruda. E a tradução "livre" está muito boa. traduzir poesia é obra!
E k bem estás com o chapéu.
Bjs.
Luz e paz em teu caminhar

16 agosto, 2006 12:06  
Blogger DIGNIDADE said...

Obrigada pela partilha da genialidade de Neruda, com um assomo de Manel! Um bj.

16 agosto, 2006 17:08  
Blogger Luna said...

Os poemas de Pablo Neruda são subliminares, obrigado pela partilha
beijos

16 agosto, 2006 20:18  
Blogger Menina_marota said...

Ler ou ouvir a poesia de Pablo Neruda, é sem duvida, um momento muito especial para mim.
Deixo-te aqui, um dos poemas que mais gosto...

"Aquí te amo.
En los oscuros pinos se desenreda el viento.
Fosforece la luna sobre las aguas errantes.
Andan días iguales persiguiéndose.

Se desciñe la niebla en danzantes figuras.
Una gaivota de plata se descuelga del ocaso.
A veces uns vela. Altas, altas estrellas.
O la cruz negra de un barco.
Solo.

A veces amanezco, y hasta mi alma está húmeda.
Suena, resuena el mar lejano.
Éste es un puerto.
Aquí te amo."

(Poema de Pablo Neruda)

Bjs ;)

17 agosto, 2006 00:59  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Parabéns. Muito bem traduzido.
Gostei da escolha...Pablo Neruda é sem dúvida um dos monstros sagrados da Poesia... e gostei muito que o tivesses aqui partilhado.

Beijo meu ;)

17 agosto, 2006 01:06  
Blogger dctorx said...

Por isso e por outra é que Eu adoro as mulheres...

abraços

dr x

17 agosto, 2006 20:29  
Blogger Su@vissima said...

Obrigada pela partilha e parabéns pela escolha :)
Pablo Neruda foi o primeiro poeta que me "tocou"...daí, adorá-lo!
Lembraste-me um outro poema de Neruda à "mulher"... vou usá-lo como pérola.

Um beijo daqui

17 agosto, 2006 22:00  
Blogger Micas said...

Pablo Nerudo é sempre uma escolha excelente. Grata pela partilha.
Beijos

17 agosto, 2006 23:24  
Blogger A Cor do Mar said...

Grd Neruda ... b f de semana e deixo-te um beijinho*

17 agosto, 2006 23:40  
Blogger Princesola said...

Lindo! Um post sem duvida diferente daquilo a que nos tens habituado...
Agradeço a visita ao meu cantinho.
Beijo

18 agosto, 2006 11:58  
Blogger Ana Luar said...

O meu corpo de mulher agradece o tributo as todas as mulheres. Obrigada Manel pelo carinho dispensado...
Adorei ler poesia por aqui!

21 agosto, 2006 16:26  
Blogger Su said...

gostei de reler
bela escolha
jocas maradas

26 agosto, 2006 22:22  
Blogger agua_quente said...

Neruda cantou o amor e a mulher em vários tons. Muito bom, mesmo.
Estamos de volta. :) Beijos

27 agosto, 2006 21:35  
Blogger Lumife said...

Ora bem. Cá vamos regressando e nos encontrando. E entras com Neruda e um tributo ao Amor. Sempre bem.

Um abraço amigo

28 agosto, 2006 09:48  
Blogger dctorx said...

ha essas mulheres..como é bom canta-las, como e bom descreve-las, como é bom amar...eta vicio fdp

abraços

dr x

30 agosto, 2006 17:32  
Blogger O Transmontano said...

Olá Meu Grande Amigo,
Há tempos que te não oiço...Há tempos que não lia algo teu. Estive na Terra onde a Cultura não chega, nem a tecnologia, mas, entretanto é lá que me sinto bem, tal como tu no teu Montado....
Adorei o Poema....De facto tradutori, traditori... Neste caso, excelente tradução. Parabéns.
Quando puderes e quiseres, gostava que me desses um toque.... Um almoço, dois dedos de conversa e o prazer de encontrar-te....
Um abraço....

01 setembro, 2006 16:58  
Blogger Menina_marota said...

Bom dia!
Passei para pôr a minha leitura em dia... apesar de adorar a poesia de Neruda e esta tradução estar óptima, pergunto-te se já não é tempo de actualizares o blogue com palavras tuas?

Beijo meu e bom domingo ;)

03 setembro, 2006 10:40  
Blogger Barão da Tróia II said...

Uma boa escolha. Boa semana.

04 setembro, 2006 14:48  
Anonymous Guilherme F said...

Carrissímo, com atraso respondo que estou em coisasdagaveta.blogs.sapo.pt


Abração..

04 setembro, 2006 18:18  
Blogger dctorx said...

Passando e deixando um abraço

Drummond tempera minha tarde

"A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca
e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade."

Carlos Drummond de Andrade

11 setembro, 2006 17:10  
Blogger maria said...

Belíssimo...simplesmente...
Um beijo

12 setembro, 2006 23:00  
Blogger goticula said...

Bela escolha!
Agradeço simplesmente.


Beijinhos

13 setembro, 2006 13:52  
Blogger Micas said...

Afinal onde é que andas?? está tudo bem??
Saudades de te ler!

Beijos

14 setembro, 2006 08:21  
Blogger Titas said...

Aconteceu o impensável. Detive-me na tradução e nela me encantei.

Os meus parabéns. Imprimatur!

//(~_~)\\ um beijo da Titas

15 setembro, 2006 03:06  
Anonymous Anónimo said...

Adoro Neruda.
Lindissimo poema.
beijão

20 setembro, 2006 09:01  
Anonymous Anne said...

me desculpe... esse anonimo aí sou eu, rsrsrsrs

20 setembro, 2006 09:02  

Enviar um comentário

<< Home