quinta-feira, abril 06, 2006

A minha verdade!

Ainda há bem pouco tempo a notícia da captura de Ratko Mladic surpreendeu-me e as minhas expectativas sobre a verdade goraram-se quando tal foi desmentido.
Este general sérvio, criminoso de guerra, cuja voz nos chegava através dos rádios de ondas curtas, devidamente traduzida pelo nosso guia croata, o capitão Stefan M. e confirmada por um sargento americano de descendência balcânica, oferecia dois mil e quinhentos dólares de prémio por cada soldado da ONU morto, desde que a morte fosse comprovada por imagens. Acrescia que para o atirador que atingisse o número de dez “porcos azuis”, assim nos denominavam devido à cor do capacete, havia lugar a cerimónia de condecoração em Belgrado das mãos do próprio Slobodan Milosevic. É facto que estas informações nunca foram confirmadas e que o lado sérvio sempre as negou, atribuindo-as à contra-informação croata e bósnia.
No entanto o número de capacetes azuis mortos naquele conflito ainda não foi divulgado, mas atingirá um número inesperado. Alguns relatórios de intelligence (serviços secretos) davam-nos notícia de que havia jornalistas que pagavam por informações que lhes assegurassem um boa colheita de imagens, mormente sobre o local para onde se iriam concentrar os esforços dos snipers.
Se a Jugoslávia foi o conflito onde os jornalistas sofreram mais baixas, algumas delas não me deixam mágoa alguma, apenas pena dos familiares que ficaram sem eles. A comprovarem-se um dia os rumores, não se perdeu grande coisa.
Soava-se que alguns “free lancers” e outros “colegas” de agências noticiosas recebiam pelas imagens de um “tiro certeiro” cerca de cinco mil dólares, isto é, esperavam em determinado local onde uma patrulha da ONU ou civis iam passar, com tripé montado e tudo, e assim que o sniper disparava a imagem correria os ecrãs de todo o mundo nos horários nobres dos telejornais. Até que ponto a busca da imagem e dos prémios jornalísticos não causou mortes evitáveis? Será verdade que assim sucedeu? A calcular pelo exemplo que nos tem chegado dos paparazzi…


Coisa que me ficou sempre na memória foram as imagens do assassinato do presidente Kennedy e o famoso filme Zappruder. Este senhor, para os mais distraídos, foi aquele que se empoleirou numa estrutura e que, ao contrário dos demais mirones, não se atirou ao chão nem fugiu assim que os disparos soaram, tendo colhido imagens sem tremor de todos os tiros que atingiram JFK. Das duas uma, ou era surdo, o que não se comprovou, ou já estava à espera dos tiros. Do mesmo modo, também estranho muito quando vejo imagens muito firmes, sem tremedeira, sobre qualquer acto bárbaro. Ou a câmara está num tripé ou o repórter está á espera do evento. Assim surgiram algumas das imagens sobre soldados da ONU mortos em Sarajevo ou noutras cidades da Bósnia-Hezegovina.
Da mesma forma se lamenta muitas vezes a morte dos “cooperantes” estrangeiros para a reconstrução do Iraque que são executados pelos extremistas islâmicos. Os “cooperantes” não são “cooperantes”, são agentes infiltrados e os extremistas são o que são e muitas das vezes foram treinados pelos próprios países dos “cooperantes”.
A grande maioria das notícias que nos chegam já vêm editadas e filtradas por interesses editoriais, os próprios repórteres de imagem vos contarão isso em segredo, pois também necessitam de viver. Há que buscar a verdade por detrás do que nos querem impingir.
Foi Slobodam Milosevic envenenado? Se o foi, lamento, pois queria vê-lo condenado por um tribunal, mas não tenho pena de um carniceiro e podem crer que o mundo ficou mais arejado sem a sua presença. Agora, foi ele o único estadista a violar as leis do direito internacional? Então e o patego-labregoide do JW Bush? E o Tony Blair? E o Vladimir Putin? Querem lá ver que a Chechénia (Tchéchnia) é uma operação de charme de Moscovo!


É minha convicção que os extremismos vão surgindo pelo mundo muito pela dualidade de critérios com que o ocidente se vale para definir quem, em determinado momento, é mau ou bom. Depois aparecem figuras como a do actual senhor ministro dos Negócios Estrangeiros, que dá publicamente apoio a radicais e depois dá a entender que a malta é toda estúpida e não o percebeu, pois ele não disse nada daquilo, nós é que somos todos burros e ouvimos mal. Ainda a recente epopeia canadiana foi disso prova. O homem não se precipita, nós é que somos uns toscos e julgamo-lo mal.
Retomando. Muitos rumores se ouviam na Bósnia sobre jornalistas que pagavam para terem exclusivos, mas nunca consegui, no tempo que lá estive, apurar da veracidade ou não das informações que nos chegavam e dos rumores que circulavam. O que é facto é que visionei várias imagens de vários repórteres sobre o mesmo evento, por exemplo a remoção das carcaças de viaturas destruídas da Avenia Obala Kulina Bana, pela Engenharia Militar Francesa ao serviço da ONU, quando do disparo que matou o operador de um bulldozer. Todas as imagens apresentavam no momento do tiro e do impacto quase simultâneo uma tremedeira natural causada pelo imprevisto da situação e pela reacção do repórter…todas excepto uma, que por sinal nem na linha de fogo se encontrava e foi adquirida de um ângulo mais elevado. Coincidência? Teoria da Conspiração? Tempos depois o autor das imagens levou o competente tiro nos “cornos” perto de Turbe…um dia tinha de ser; quem anda à chuva molha-se!


As televisões de todo o mundo mostram os soldados de vários países a agredir civis árabes no Iraque, mas estranhamente nunca mostram os assassinatos por degolação ou tiro na nuca levados a cabo por extremistas. Porque será? A desculpa é que são demasiado chocantes…critérios jornalísticos ou de cretinos?
Quem já perdeu um camarada por um acto cobarde não os julga tão levemente…compreende-os até…muito mesmo!
Depois da merda começar ninguém está nessas situações pela Pátria…esta que se fecunde…nem pelas Forças Armadas (em parvas), estas e os seus chefes, que só cuidam dos seu interesses, que se fecundem a dobrar, de preferência com calibre de burro ou superior. Estamos lá e fazemos o que temos de fazer pelos nossos e os nossos são aqueles que privam connosco no dia a dia, que nos protegem o coiro como nós protegemos o deles…não importa a sua nacionalidade, ali foram e sempre serão meus irmãos. Como é fácil julgar no conforto de um sofá, sabendo os filhos a salvo do serviço militar, pois agora só os idealistas e os sem emprego é que podem morrer por Portugal em missões de paz. Vão apanhar no esfíncter!
Chocante, chocante mesmo, é a distribuição de comendas a tudo que é esterco, seja ele produto eliminado de uma boa refeição ou de uma qualquer caganeira viral.
E a televisão? Essa? Vai influenciando a opinião pública através da castração, por critérios de política editorial, da totalidade das imagens recolhidas…
Vão também levar onde as galinhas levam!

31 Comments:

Blogger António Lisboa Gonçalves said...

Caro Manel, valeu a pena esperar por mais um magnífico texto onde ressaltam as tuas emoções e sentimentos. Quanto ao desaparecimento dessa triste personagem, concordo em absoluto, a humanidade ficou a ganhar, mas outros ainda por cá andam e infelizmente continuarão a viver e a gastar-nos o oxigénio. Essa dos jornalistas não me admira pois o género humano, por vezes deixa muito a desejar, e por pouco se vendem, enfim são tempos onde os valores pouco ou nada valem.
Isto está péssimo, não há dúvida, secalhar é tempo de pensar em fazer algo para mudar este estado de coisas, temos que pensar nisso...
Um abraço!

06 abril, 2006 21:02  
Blogger adesenhar said...

este excelente artigo deixa no ar algumas questões pertinentes.
Se o Slobodan Milosevic morreu envenenado ou de outra forma qualquer, contribui para que tenhamos um ar mais saudável...
Já o caso dos “free lancers” é grave. Estão em todos os conflitos ou pelos vistos, onde uma imagem renda bom dinheiro (sujo nestes casos) e se brinque com a morte, apenas por uma guerra de audiências!
Vem a propósito um caso passado em Luanda, quando os bairros limitrofes da cidade começaram a ser atacados.O meu grupo de combate foi destacado para um bairro, que já estava a ferro e fogo, mas quando chegamos já era tarde e nada podemos fazer pelos habitantes das moradias atacadas.O cenário era ... arrepiante como deves calcular. O nosso trabalho apenas seria de protecção, para a chegada das ambulâncias, ainda havia feridos que deviam ser conduzidos ao hospital e salvos daquele horror...
O pior “filme” estava para acontecer. Do “nada” surge uma equipa de jornalistas de uma TV Sueca,
que nos fez uma proposta absurda e ridicula face ao cenário que tinhamos pela frente.Em termos televisivos e para a reportagem ficar completa, (já tinham imagens dos feridos e os mortos), apenas faltava um pouco de acção e logo com um grupo dos Comandos, tropas de elite, seriamos a cereja em cima do bolinho desses deficientes mentais.A proposta passava pela nossa reentrada na rua principal, em posição de combate com uns tiros pelo meio, depois eles tratavam do resto, com as devidas montagens televisivas.É evidente que recusei e fiz um grande esforço para conter a ira dos meus rapazes, que estavam com vontade de correr aqueles jornalistas imbecis a pontapé e não só...
bem creio que fico por aqui...

Como vês Manel, aqui ou ali vão surgindo casos semelhantes da nossa imprensa, umas vezes côr-de-rosa, outras de cores bem negras, onde por uns trocados se brinca com a vida das pessoas.

Não queria tocar neste assunto por várias razões... tu entendes ... mas há alturas na vida em que temos de escolher, entre o silêncio ou dar a conhecer uma realidade tantas vezes silenciada ou deturpada nas TV´s.
terminava com a tua frase "Vão também levar onde as galinhas levam!

Abraço Manel.

Mama Sumae

07 abril, 2006 15:26  
Blogger Menina_marota said...

Um texto forte, quase de uma raiva mal contida.
Não imagino, aqui sentada na minha secretária, como será doloroso para ti, reviver momentos, como aqueles que, ao longo de vários textos, tens partilhado connosco.

E de cada passagem aqui, mais que uma leitura, eu vejo uma lição de vida, de sobrevivência, de solidariedade, para com os teus pares.

E, a força que reténs no teu pensamento, é o elo que te interliga a todos nós.

Saio sempre comovida com os teus relatos. E, indignada com o mundo em que vivemos.

Um abraço carinhoso e bom fim de semana

07 abril, 2006 18:05  
Blogger marakoka said...

belo texto

gostei de ler.te

valeu

jocas maradas

07 abril, 2006 18:57  
Blogger paper life said...

Confesso que ainda não li, cansao e luz a condizer mas venho desejar-te bfs.

Bjinhos.

:)

07 abril, 2006 23:42  
Blogger Titas said...

muitas, muitas saudades...
um beijo.

http://www.jacquielawson.com/viewcard.asp?cont=1&hdr=0&pv=FL04EN

08 abril, 2006 01:05  
Blogger lazuli said...

pouco tenho a dizer perante este texto. Sabes que sensação? A de ler a História na primeira pessoa.

Uma braço, com muita admiração

fernanda g.

08 abril, 2006 03:00  
Blogger Nina said...

Passei para deixar um beijinho :)

08 abril, 2006 12:54  
Blogger lena said...

continuo a ficar presa aos teus "relatos" tão bem elaborados que os consigo ler e imaginar

é grande a lição de vida que se sente, a revolta que faz parte do que vais escrevendo, e quase se sente o grito no que vais descrevendo
casos de guerra que me arrepiam, me fazem lembrar outras guerras, que não assisti, mas que ouvi comentários e dói pensar que é este o mundo onde vivo

arrepiante o que se lê mas ao mesmo tempo tão bem escrito, onde até a solidariedade que tens para com os outros consigo sentir

beijinhos para ti meu amigo e obrigada por partilhares algo que tanto te marcou

lena

09 abril, 2006 22:13  
Blogger Isabel-F. said...

Olá Manel,

Adorei o teu texto...como sempre, está 5 estrelas...
E fizeste-me ficar a pensar na história das imagens de que deveriam estar tremidas...e nunca estão...dá para pensar sim...

Beijinho

11 abril, 2006 12:34  
Blogger Princesola said...

Parabens pela escrita e uma boa pascoa...

12 abril, 2006 15:22  
Blogger Micas said...

Mais um texto para lá de excelente, realmente agora fico a pensar nas imagens que vemos apanhadas dos melhores angulos e sem tremuras... tenho um cunhado free-lancer, nunca andou aqui pela europa, em geral, Ruanda, Dafur, Sri Lanka, por aí, pelas guerrilhas onde acontecem horrores mas que não interessam aos "senhores" do mundo, por nada terem a oferecer... é Sueco e vende os artigos para as revistas e jornais mais conhecidos de toda a europa, tenho o previlégio de ler e ver as fotografias em 1ª mão, nunca falamos sobre isso, nem acredito que ele o faça, mas fiquei curiosa...
Aproveito para te desejar uma Boa Páscoa. Beijos

13 abril, 2006 22:35  
Blogger Flávia said...

Oi Manel querido.
Feliz Páscoa para vcs.
Beijos

14 abril, 2006 02:56  
Blogger Menina_marota said...

Com um forte abraço, desejo-te uma Páscoa feliz.

(adoro esta música... )

14 abril, 2006 16:42  
Blogger Cristina said...

Uma Pascoa feliz para ti e para toda a familia
beijinhu GRANDE
:)

14 abril, 2006 19:36  
Blogger Nina said...

Feliz Páscoa recheada de mta Paz com amêndoas e ovinhos :)

Beijinhos

14 abril, 2006 21:02  
Blogger lazuli said...

um abraço e boa Páscoa.

fernanda

14 abril, 2006 23:22  
Blogger lena said...

num abraço venho desejar-te uma boa Páscoa

beijinhos meu querido amigo


lena

15 abril, 2006 22:35  
Blogger Isabel-F. said...

Espero que tenhas tido uma boa Páscoa.

Bjs

16 abril, 2006 18:25  
Blogger O Transmontano said...

Uma Páscoa mto feliz e com muita saúde.
Mesmo nos momentos difíceis, não esqueço os AMIGOS. Li o texto muito de relance mas percebi algumas coisas.
Com mais calma, farei uma leitura mais atenta.
Um abraço.

16 abril, 2006 22:09  
Blogger lena said...

um beijo para ti meu querido amigo, num até breve

lena

17 abril, 2006 21:00  
Blogger maria said...

Sempre acutiliante, Manel, prementemente acutililante, em mais um magnífico post, bem elucidativo dos (de)formadores de opinião que temos...Estejamos atentos, pois, para que não nos alienem, não nos apaguem o sentido crítico das coisas...
Beijinho e obrigada pela lucidez e a coragem :)

18 abril, 2006 13:26  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Estive mais uma vez a reler estas tuas memórias, cujo teor me é suavizado por este magnifico som, que consegue amenizar no meu coração, o efeito que as tuas palavras me fazem.

Espero que estejas bem e não demores a postar, por favor... é sempre uma dádiva, ler-te.

Um abraço carinhoso ;)

18 abril, 2006 15:40  
Blogger Menina_marota said...

Para quando um novo Post?
Deixo um beijo ;)

21 abril, 2006 14:26  
Blogger alfazema said...

Montado? Isto "chêra-me a bolota, a sobrêro, a porcos..."Mas são bons "chêros". Eu adoro o Alentejo e creio até que noutra encarnação fui alentejana.
"Bêjos". Bom Domingo

23 abril, 2006 11:43  
Blogger lena said...

vim deixar-te um abraço e dizer que logo que possível volto

o poema também me emocionou

espero recuperar logo

beijos para ti meu amigo e o meu cheito a maresia


lena

23 abril, 2006 20:23  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Vim deixar um abraço... para quando um novo post?

Abraço carinhoso ;)

25 abril, 2006 10:00  
Blogger Henrique Santos said...

Claro que já bastante melhor não podia deixar de aqui vir. Este "diário" tem tanto sumo, tanta informação que nos ajuda a compreender melhor a nossa história contemporânea. Ainda por cima com uma linguagem que nos toca.
Um abração grande, e obrigada.
Ricky

25 abril, 2006 15:23  
Blogger Isabel-F. said...

...se não for pedir muito...gostaria da tua visita e comentário...hoje...lá no meu sítio.

Bjs

25 abril, 2006 15:25  
Blogger TMara said...

tu vens e trazes um testemunho. E a s verdades doem,amsas amnetiras doem muio mais. Opto smp pela verdade. Obrigada por nos chamares a atenção se andarmos desatentos com tanto trabalhinho k têm para isso.
Bj fraterno, Abril 25

25 abril, 2006 18:18  
Blogger Popper said...

Gostei. Vou andar por aqui. Um abraço.

26 abril, 2006 00:08  

Enviar um comentário

<< Home